Notícias

Descarte de lixo na rede de esgoto prejudica o sistema de tratamento

SANEAMENTO
Descarte de lixo na rede de esgoto prejudica o sistema de tratamento
Araranguá
A coleta e o tratamento do esgoto fazem parte da rotina do setor de saneamento básico e são fundamentais para a população, já que contribuem diretamente com a saúde, qualidade de vida da sociedade e preservação do meio ambiente. O SAMAE de Araranguá alerta a população sobre os prejuízos do descarte irregular de resíduos nas redes de esgoto.
A técnica em Saneamento Ambiental, Bruna Inácio Nazário, que trabalha no SAMAE há 1,3 anos demonstra preocupação quanto ao incorreto descarte de materiais feito por populares junto a rede de esgotamento sanitário. A prática, além de prejudicar a rotina de trabalho, também pode causar prejuízo. Os resíduos que deveriam ser descartados no lixo, mas, acabam equivocadamente depositados na rede de esgoto, prejudicam todo o sistema e a população. A sujeira pode obstruir a rede, causando o retorno do esgoto para dentro dos imóveis, ou o seu vazamento pelos poços de visitas (PV), e até mesmo causar o rompimento do cano, que é dimensionado para receber apenas esgotos
“Na tubulação das Estação de Tratamento de Efluentes, já observamos a presença de elementos como fraldas descartáveis, papéis, plásticos, entre outros. Recentemente, a equipe trabalhou por quatro dias na ETE II, até constatar que a origem do transtorno no processo operacional era causada por estes resíduos”, revela.
A técnica em Saneamento Ambiental também salienta que, para identificar o problema foi feita a análise de várias hipóteses: “Primeiramente achávamos que alguns prédios tinham conectado a drenagem de água do terreno na tubulação de esgoto. Avaliamos e descartamos esta situação, mas prosseguimos a investigação. Em seguida verificamos a presença de materiais indevidamente descartados junto aos motores da rede da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) I, no Bairro Urussaguinha”, explica.
Bruna Inácio Nazário destaca que a conscientização das pessoas pode alterar este panorama. Ela lembra que, na outra estação do SAMAE de Araranguá - a ETE II, no Parque Alvorada - ocorrem problemas semelhantes. O correto, argumenta, é sempre jogar lixo no destino adequado, jamais utilizando ralos de pias ou vasos sanitários. No caso do óleo de fritura a recomendação é providenciar o armazenamento deste resíduo em garrafas plásticas, fazendo o descarte em pontos de coleta para que posteriormente seja reciclado. “São ações simples que fazem toda a diferença! Isso evita, por exemplo, a formação da famosa “gordura”, que pode obstruir tubulações e é resultado do descarte incorreto do óleo de fritura pelo ralo da pia”, orienta.

Outras Notícias